21 março 2007

As cores do primeiro mundo

........._______________________________
.............A necessidade é a criação de necessidades
.............e ser livre é optar por uma forma de poder
........_______________________________

Tempos houve em que o “mundo” era um pequeno agregado populacional, a aldeia, a tribo. Tudo que aí tinha lugar preenchia o imaginário humano e a realidade era esse “grande espaço” de relação próxima com a natureza que condicionava ferozmente a liberdade e com os que compartilhavam um quotidiano solidário. A necessidade premente e a preservação justificavam todos os esforços individuais e sociais e a carga genética foi sendo transportada e transmitida com precisão matemática através do tempo.
Os mais criativos poderiam talvez conceber outros “mundos”, mas a possibilidade de confirmação era por demais remota!

Milhares de anos decorridos o “mundo” é qualquer coisa com contornos indefinidos. A realidade patente desfoca a natureza e os humanos, simulando uma obtusa partilha do “mundo”, estranham um quotidiano competitivo. O espaço ganhou múltiplas dimensões e a proximidade é viabilizada pelas ferramentas disponíveis que se apossam do quotidiano e dissipam o conceito de próximo. As tribos não se confinam mais a uma área definida e habitam uma topografia planetária quase irrepresentável. A evasão e simultânea concentração social vão gerando níveis de ansiedade impiedosamente selectivos. A necessidade é a criação de necessidades e ser livre é optar por uma forma de poder. A carga genética vai sendo transportada e transmitida inexoravelmente através do tempo.
Os mais criativos podem de facto conceber outros “mundos”, mas a possibilidade de realização é por demais remota!

Cátia Farias

3 comments:

Blogger Caiê said...

A Ausência permite criar tudo.

22/3/07 9:45 da tarde  
Anonymous ibis 2 said...

É.É curiosa a vida,no mínimo.
Seja porque o Tempo nos cria a "possibilidade remota" de ver mais longe,seja porque as circunstancias parecem impossibilitar outra via a seguir, o que é certo é que,há sempre alguém mais criativo e visionario,corajoso o suficiente para empreender tanto uma nova visão como um novo caminho efectivo a percorrer.
O resto...só o futuro o dirá.
E ,contudo, a questão irá sempre permanecer.

23/3/07 2:00 da manhã  
Anonymous Marcelo Melo said...

Caricatamente, continuam a existir vizinhos que resumem o mundo a uma rua, da qual praticamente não saem por ausência de necessidade...

Estarão eles desfasados do entendimento supremo do mundo que o futuro vem alterando?
[www.3vial.blogspot.com]

25/3/07 8:43 da tarde  

<< Home