17 novembro 2006

Fatalidades...

Trago na memória um dia como este. Assim invernoso e húmido. E tenho a sensação que as sonatas de Mozart também soavam em fundo tal como agora.

A memória, essa entidade poderosa e imprescindível, mantém-nos vivos. Mesmo que difusa é ela que nos justifica e nos significa.
Um dia desapareceremos sem saber o que seja a memória. O que sabemos é que sem ela não somos… É fatal.

Cátia F.

3 comments:

Blogger Sofocleto said...

Eu trago na memória um dia solarengo e quente. Ajuda-me a ultrapassar estes dias invernosos e húmidos. É mais positivo.

17/11/06 7:54 da tarde  
Blogger Caiê said...

Habitei vários anos com alguém que (já) não tinha memória. Garanto-te que é possível existir. Viver é que já não sei.

19/11/06 1:29 da manhã  
Anonymous Marcelo Melo said...

é preciso trazer na memória muitos dias porreiros, para que a chegada de dias ruins não provoque a queda da fé depositada no sucesso do amanhã.

21/11/06 10:09 da tarde  

<< Home